Sábado, 25 de Abril de 2009
Viva a liberdade, e o início da sua conquista...

Viva a liberdade, e o início da sua conquista...

 


Foi há 35 anos que se deu o golpe de Estado que simbolizou o fim de décadas de ditadura salazarista. Os portugueses foram libertados das forças políticas que os botaram ao tacanhismo profundo, que os pretendiam tornar num conjunto de mentes amorfas subjugadas ao cérebro que era o Estado, com a velha aliança da Igreja.

 

Foram os Capitães de Abril os visionários da época. Foi com eles, e com todos os outros que contra o regime estavam, que se deu o início da democracia (o povo eleger os seus representantes políticos) e o passo mais crucial em direcção à liberdade, essa pela qual ainda hoje muitos lutam, pois a liberdade é um caminho que se começou a percorrer nesse 25 de Abril de 1974.

 

Que cada 25 de Abril se torne mais memorável que um enraizado "dia santo" (se fosse igual, já era bom...).

 

Que a alma de Abril, intrepretada por notáveis músicos, fique com os leitores deste blog...

 

 

 



talhado por o barqueiro às 01:59
link do post | botar farpas (=comentar) | favorito

Câmara nova, vidas novas?

Câmara nova, vidas novas?

 

Está pronto e a funcionar o novo recinto dos Paços do Concelho. Cor-de-rosa bonito, o novo edifício, dizem os mais entendidos, baseia-se numa arquitectura que é sobretudo funcional, que vai de encontro ao trabalho desenvolvido pelos seus funcionários. Carácter funcional e estéticas à parte, enfim Ponte da Barca possui um novo edifício para a Câmara Municipal, que já há muito estava planeado.

 

 

Agora os serviços camarários não se poderão queixar de falta de condições para satisfazer as necessidades dos barquenses, pois existe um edifício com uma concepção prepositada para tal, além de já possuir o número mais que suficiente de funcionários, como todos saberão. Quanto ao velho edifício, será para receber uma Loja do Cidadão de 2ª geração, com tudo o que isto poderá trazer. Contudo, o baqueiro, e se calhar alguns barquenses, ainda não perceberam se a Loja do Cidadão irá incluir serviços públicos, por exemplo, de Segurança Social e Finanças, com o consequente fecho das repartições actualmente existentes. Seria bom reestruturar estes serviços na vila, até porque de bom funcionamento não se podem propriamente gabar, isto, na modesta opinião do barqueiro. Não duvidando da competência dos funcionários dos serviços referidos (o mau funcionamento, mais que uma questão individual, é organizacional), convém não deixar a salvo do mesmo reparo os funcionários que agora têm novo recinto de trabalho nos novos Paços do Concelho. Tudo isto para o barqueiro chegar ao ponto de revelar a sua esperança em que o funcionamento dos serviços camarários seja, à semelhança das infraestruturas, também ele remodelado. Desde a senhora das limpezas, até ao próprio Presidente de Câmara. De falta de recursos humanos não se poderão queixar, até porque o excesso de funcionários na função pública é um mal antigo do país em geral. E os funcionários poderão até não serem muitos… é mais a desproporcional eficiência. Talvez haja o hábito português de haver mais gente a “chefiar”, que propriamente a executar as funções que lhe seriam devidas para o harmónico funcionamento de um todo, que é uma repatição pública.

Sermões à parte, com a (pseudo) inauguração deste novo edifício, foi lançada também uma barraca. A inauguração é “pseudo”, porque à boa maneira portuguesa, os discursos são óptimos, mas os que belo discursam ainda têm de se arrumar dos “andaimes” na obra supostamente já pronta. Por outro lado foi lançada a barraca, particularmente porque a oposição veio demosntrar publicamente o esbajamento de dinheiro da falada obra. Segundo o executivo o investimento foi de 1,7 milhões de euros. Seguir-se-ão 400 mil euros para o arranjo definitivo do exterior envolvente ao novo edifício, ou seja, destruir aquilo que supostamente é provisório, mas serviu para receber a "pompa e circuntâcia" de uma inauguração de algo ainda não concluído (bem "à portuguesa!", infelizmente). E como é que a fraca oposição que por cá temos vê toda esta situação: "Escândalo!", "gastos mais de meio milhão de euros (113 mil contos) só no fornecimento de mobiliário". Como se pode analisar esta visão de esbanjamento dada pela actual oposição do PSD? Como o barqueiro quer ser imparcial, vai dar 2 visões: uma visão "laranjinha" e uma "rosinha". A "laranjinha": "É verdade! Isto é um escândalo! Andam para aí a gastar rios de dinheiro do Estado... Das duas uma: ou se anda a meter dienheiro ao bolso, ou então o luxo "a bordo" do novo edifício deve ser grande!". Se quiser ser "rosinha": "Aqui ninguém mete ao bolso o dinheiro dos contribuintes! Temos é um bom edifício, e a qualidade do equipamento não deve ficar atrás! Assim ficamos todos bem: nós, os do poder estamos bem instalados, e vós, os da oposição, também, até porque temos que receber aqui as vossas "visitas"...". Ninguém ficará a perder... A não ser, de facto, o povo, que mais uma vez foi pisado pelos "elefantes" políticos...

A propósito da oposição, particularmente o PSD, que apesar de não parecer querer novamnete o poleiro, é a maior força da oposição, optou agora por explorar os rios de dinheiro que têm sido gastos pelo actual executivo. Argumentos não lhes faltam: "Dívida perto dos 10 milhões de euros" e "aumento de 68% da dívida em 3 anos". Parece que pelo menos tomaram um rumo, uma linha de crítica ao executivo actual. Falta juntar as propostas de mudança, os planos, os projectos, para que possam pelo menos mostrar intenções de fzaer algo novo pelos eleitores. Estamos cá para ver... Pelo menos já houve alguma mudança de rumo, tendo em conta que os artigos do PSD habitualmente assinados como "A Comissão Política da Secção de Ponte da Barca do PSD" passaram a ser assinados por 5 indivíduos, com o nome "António Cabral de Oliveira" à cabeça. Convém lembrar aos eleitores (e depois não se diga que o barqueiro não presta serviço público) que aquele que supostamente é o candidato autárquico surge em 4º lugar na lista das assinaturas, e dá-se pelo nome de "Augusto Manuel dos Reis Marinho"...

 

 


sinto-me:

talhado por o barqueiro às 01:58
link do post | botar farpas (=comentar) | favorito

A Páscoa da Paixão de Cristo

A Páscoa da Paixão de Cristo

 

Longe de querer "monopolizar" o conhecimento da Páscoa segundo as crenças cristãs, que festeja a ressurreição de Jesus, o barqueiro quer relembrar que se trata de uma data festejada antes sequer do nascimento de Jesus. Refira-se em concreto a Páscoa dos judeus, que festeja, e festejava ainda antes de Jesus Cristo, a libertação e fuga do povo judeu escravizado no Egipto. Lendas à parte (já que a consistência de tais acontecimentos está longe de ser sólida, baseando-se em escrituras com carência de algumas evidências historicamente fiáveis), na freguesia de Bravães realiza-se anualmente a recriação da lenda cristã da morte de Jesus Cristo na Cruz, pelos romanos.

Pela Associação Cultural e Desportiva "Os Canários" de Bravães, com encenação do escritor da terra, Jaime Ferreri, a representação contou com a participação de 37 actores e 25 figurantes, provenientes da própria freguesia. A representação estava prevista para o dia 9 de Abril, na referida freguesia, junto do Mosteiro. Por motivos meteorológicos não foi possível a representação da peça em Bravães. Apesar de tudo fica a nota de excelente receptividade à representação feita cerca de 1 semana antes em Ponte de Lima, vila propícia à presença em grande força do turismo, que infelizmente em Ponte da Barca se nota a falta.

Nota positiva para este evento cultural, que todos os anos põe o nome de Ponte da Barca nos roteiros turísticos.

 

 

Mas, como diria o "beato" Artur Alvarães, o barqueiro tem que dar a "Habitual Pincelada". Este ano a "Mui Dolorosa Paixão" contou com entrevistas a intervenientes nesta representação. Jaime Ferreri, figura habituada ao mediatismo concelhio, devida às suas qualidades como escritor, sustentado por correntes de poder político favoráveis (que por exemplo escritores como Sousa Meira não têm), deu entrevistas que incluíram jornais a nível nacional. Mais uma demonstração da importância do evento. Também actores deram os seus testemunhos, como Pedro Silva, que com sacrifício pessoal, segundo a entrevista dada ao "O Povo da Barca", já teve que representar mais que um papel. "Sacrifício pessoal" esse que segundo declarações suas terá sido atenuado pela participação no teatro de entidades ditas de "motivadoras" como a de Jaime Ferreri (como sabem os títulos de "Dr." e derivados caem neste blog), a associação atrás referida ou a junta de freguesia de Bravães. Enfim, por de trás de figuras mediáticas e de organizações passam-se sempre estranhos "jogos de bastidores" que assombram os passados e ameaçam os futuros... O barqueiro espera que não seja este o caso, para que este evento possa todos os anos pelo menos incluir o nome de Ponte da Barca nas actividades nacionais de interesse turístico.

 

 

   


sinto-me:

talhado por o barqueiro às 01:57
link do post | botar farpas (=comentar) | favorito

O lado romântico de um executivo

O lado romântico de um executivo

 

A notícia rebentou nas capas dos jornais locais: Tony Carreira irá vir a Ponte da Barca no próximo São Bartolomeu! Está Garantido! O Presidente da Câmara conseguiu!

E eis que todos os problemas de um executivo próximo da época da avaliação pelo seu povo parecem desaparecer. “Ai as dívidas!!!”, “Ai a ponte que está a cair!”, “Ai os poios urbanísticos”, “E o choupal, ai o que lhe aconteceu!”. Mas depois desta notícia: “O quê?! Tony Carreira!? Não é possível?! Ai o meu Toniiiii que vem à Barca!!!”. E momentaneamente as fãs barquenses, de preferência de 40 anos para cima, esquecem tudo o resto (e quem sabe homens que carregam a falsa desculpa de ir atrás do Tony porque têm que transportar as suas companheiras). Proseguindo nesta sequência lógica, esses mesmos apreciadores do romantismo de Tony, passarão também a cimentar o seu apreço pelo não menos romântico Vassalo Abreu. E o barqueiro diz “não menos romântico”, porque Vassalo Abreu vem revelar uma faceta no mínimo, bonita, para um líder político. Mas será que toda esta reflexão feita até agora faz algum sentido?

 

 

 

Parece que este foi um dos piores momentos bloguísticos do barqueiro… Certo é também que um político a conquistar um espectáculo de um cantor de calça justa de cabedal para o seu povo não é propriamente um episódio que se possa dizer com nexo, e de vir exibir para a imprensa. Mas enfim, é esta a agitada vida de um executivo. Temos um presidente e um vice-presidente de Câmara que conhecem um cantor romântico através de um amigo, e vá-se lá saber porquê, esse amigo trabalha na restauração em Paris. Convida-se o cantor para vir, mais uma vez a um restaurante, à lampreiada, et voilá, um “ícone” da música nas Festas Concelhias, com direito a destaque nas capas de jornais 5 meses antes da cantoria. Não esquecer que tamanho “ícone” vem, segundo Vassalo Abreu, praticamente de graça! Isto sim, isto é política da boa… E a experiência gastronómica dos políticos a entrar em acção em benefício dos ouvidos dos barquenses (o barqueiro pede desculpa, mas não resistiu mais uma vez a trocadilhos entre boa gastronomia e executivo camarário). Por outro lado parece que Adolfo Ferreira, presidente da Associação de Festas, poderá dedicar-se quase a tempo inteiro à sua outra função, de presidente da Comissão Política do PS, durante este Verão, dado que o cartaz, com tão grande figura da música, está praticamente feito.

Em conclusão, o barqueiro gostaria de manifestar o seu agrado acerca da abertura dos políticos ao mundo do espectáculo, e da música em particular... E apela: Os barquenses querem ainda mais políticos a fazer capas de jornal com música!!! (já que a política se tem tornado algo muito gasto ultimamente…).

 

 

 

 

 


sinto-me:

talhado por o barqueiro às 01:56
link do post | botar farpas (=comentar) | favorito

Comemoração do Dia da Árvore com 250 toneladas de abate

Comemoração do Dia da Árvore com 250 toneladas de abate

 

 Pela mesma altura em que os jornais locais noticiavam a celebração do Dia Mundial da Árvore, a 21 de Março, era também trazido a público o Edital do Município de Ponte da Barca onde se anunciava “Alienação de Material Lenhoso”.

Explicando melhor: os agrupamentos de escolas do concelho, as Juntas de freguesia, com destaque para Britelo e Ponte da Barca, e a Câmara Municipal promoveram os festejos, com actividades particularmente destinadas à educação ecológica das crianças, nas referidas freguesias. Por outro lado, saía o Edital anunciando a venda em acto público de um total de cerca de 250 toneladas de lenha, em grande parte resultante da operação “novo look” do choupal.  Palavras para quê?!

Como já foi aqui neste blog recentemente comentado, uma das principais imagens turísticas da vila, a zona ribeirinha com os seus arvoredos transmitindo frescura e saúde a quem lá passa, está em parte destruído pelo abate do choupal. Em seu lugar ficou algo parecido com um complexo megalítico, não fossem as supostas “pedras talhadas há milhares de anos” serem na realidade os troncos que restam do belo choupal que tínhamos. Que ensinamentos estes políticos estão a dar à juventude? São estas as mentalidades ecológicas necessárias para o futuro? O que se passará na cabeça de quem toma estas decisões? Já para não se falar da justificação do vereador da segurança civil, José Pontes, que diz que o abate se deveu a precaução que era necessária tomar em relação a uma possível queda de árvores em caso de intempérie. Que terra de vendavais é esta que temos?!

 

 

Pode até ser que a maior parte dos jovens presentes nestas comemorações não se tenham apercebido desta contradição entre abate de árvores e da apregoação da ecologia e do respeito pela natureza. Mais cedo ou mais tarde, quando o grau de maturidade o permitir, a maior parte deles poderá descortinar tudo o que acabou recentemente de acontecer. Aí verão que o povo sofreu mais um desrespeito por parte dos seus políticos.

 


sinto-me:

talhado por o barqueiro às 01:55
link do post | botar farpas (=comentar) | favorito

barqueiro
pesquisar
 
Março 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


barcalhoadas recentes

Saga "Palhaçadas" continu...

Maravilhas naturais, turi...

Palhaçadas de Carnaval

Menino Jesus vs Pai Natal

Reunião(ões) da(s) Jarra(...

O "Vosso" executivo e o 3...

Um executivo empregador

Gripe Ai!, não faça o "ra...

Fugir de homossexuais: el...

"Pai" Barqueiro e os pres...

Terminou o forrobodó! Mai...

Dossier Autárquicas 2009 ...

Dossier Autárquicas 2009 ...

Novela de Verão: "Meu S.B...

Dossier Autárquicas 2009

Vassalo "Summer Sessions"

O destaque de sempre: Lim...

A "Nata" Barquense

A Fórmula Cultura+Turismo

A "Colmeia" das "Abelhinh...

Barquenses votaram Europa...

Certame político-religios...

"Novo Rumo" com "velhos" ...

Política passeando pelas ...

Bitaitadas frescas

Mais um ano com os livros

De Ponte da Barca a Lisbo...

Pontes da decadência

Diácono de Lindoso ajoelh...

Viva a liberdade, e o iní...

todas as barcalhoadas já assistidas

Março 2010

Fevereiro 2010

Dezembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

tags

todas as tags

Visitas
Vídeo do mês: Política para Totós
subscrever feeds