Domingo, 29 de Março de 2009
"Putos" dão uma ajudinha aos maiores

“Putos” dão uma ajudinha aos maiores

 

Finalmente existe também uma juventude política em Ponte da Barca do partido socialista. A direcção da JS, que antes só existia na prática, passa agora também a existir do ponto de vista formal. Encabeçada pelo já conhecido José Pedro Amaral, que escrevia as “Notas Relevantes” semanalmente no “Notícias da Barca”, a direcção tomou posse no dia 14 de Março. Espera-se que os seus membros, ainda frescos nestas lides políticas, cumpram o seu papel, e que a promessa feita pelo líder, de promover uma maior participação e interesse dos jovens pela política local, se faça cumprir. Espera-se que o desaparecimento de José Amaral dos jornais locais, com os artigos de opinião, a partir do momento em que se constituiu a JS, não seja um presságio de que estes jovens se estejam a tornar nos muitos políticos que já temos: prometem e discursam, mas quando atingem a cadeira do poder logo essas “boas intenções” passam para segundo plano. Espera-se que a JS não seja apenas um meio de promoção e de propaganda do PS e dos “adultos” que dele fazem parte.

 

 

Pelos lados da JSD a vida lá continua: organização de reuniões e debates. Desta vez os “putos” laranjas promoveram um curso de formação política intitulado “Falar Claro”. Espera-se que o curso tenha servido de alguma coisa, não só para os jovens interessados na política, como para os “adultos” que nela andam. Augusto Marinho esteve presente, e a julgar pelas suas palavras, o curso já teve alguma utilidade. Isto porque, este próximo candidato à presidência da Câmara pelo PSD tem estado de certa forma, “apagado”. Tendo em conta que ele nunca se chegou a “acender”, ou seja, a se assumir ele próprio como alternativa para as próximas eleições, as expressões “firmeza” e “lutar pela verdade”, por ele proferidas, ficam-lhe bem. Poderá ser o início da afirmação da sua personalidade como candidato a líder de Câmara, isto porque tem estado apenas na sombra de Cabral de Oliveira, o líder da Comissão política. Daí que o barqueiro julgue que este curso de formação política já esteja a fazer bem ao candidato. Não é o “dinossauro político” Cabral de Oliveira que deve chagar-se à frente, é sim Augusto Marinho. No meio de toda esta confusão nos “adultos” do PSD, talvez seja a hora dos “putos” ensinarem a Augusto Marinho que ele tem que transmitir uma imagem de liderança aos barquenses, e mais do que isso, tem que fazer oposição, que é algo que parece que o PSD não está habituado a fazer… Quanto a Cabral de Oliveira, talvez seja a hora de saber respeitar pelo menos aqueles que militam pelo mesmo partido que o seu.

 

 


sinto-me:

talhado por o barqueiro às 00:55
link do post | botar farpas (=comentar) | ver comentários (5) | favorito

Quarta-feira, 6 de Agosto de 2008
Oposições confusas

Oposições confusas

 

Começando pelos mais novos, a JSD fez uma visita à Ermida. Apesar de jovens, revelaram que talvez ainda tenham algumas raízes profundas sediadas no passado, numa direita feita de “barões”. Tudo isto porque lê-se no artigo divulgado pelos mesmos que “foi com o entusiasmo do autarca que propositadamente abriu o Museu ao visitantes e puderam conhecer as peças que os compõem…”. Não que seja o português que esteja bem ou mal redigido, mas porque até dá a entender que o Museu da Ermida, onde estão alguns achados com milhares de anos, só foi aberto por se tratarem de tão ilustres figuras, como se ser ilustre perante os outros fosse uma qualidade de bom político. Primeiro: o Museu encontra-se infelizmente fechado, até porque o poder político nunca se terá importado de o abrir em permanência, mas o facto é que quem quiser visitar o Museu poderá faze-lo, ainda que pedindo pelas chaves às gentes acolhedoras da Ermida. Segundo: ser-se ilustre como político não deverá ser uma qualidade do político, mas apenas consequência de outras muitas qualidades que deverá ter. Porém, como ainda se tratam de jovens, e andam por aí muitos adultos da política que erram de igual forma, fica a nota de que nem tudo é mau. Os jovens têm alertado para o facto da água do rio Lima ter tido análises que revelavam má qualidade em 2006, e que a ausência de análises deste ano deverá preocupar tanto os políticos no poder como os barquenses que lá se banham.

Mas como a seguir a algo acertado, bem quase sempre algo de errado, o PSD, desta vez na secção dos fisicamente mais crescidos, teve uma espécie de comício com Pedro Passos Coelho. Para além do êxtase inerente a uma figura nacional, a noite deve ter tido o seu apogeu quando o nome de Augusto Marinho correu pelos ouvidos como um perfil adequado para candidato a Presidente da Câmara Municipal. A primeira noite de êxtase do PSD após as últimas eleições? Talvez, tendo em conta que Passos Coelho tem um discurso com soluções milagrosas para tudo, até pelo que contrastou com a visão de Ferreira Leite, devendo ter conseguido incendiar a plateia presente.

Do outro lado, lá mais para a esquerda, o líder do Bloco de Esquerda António Rocha, quebrou o blackout para com o “O Povo da Barca” que já durava há… meses. Tudo tinha começado com a longa ausência de comentários escritos deste líder para esse jornal, segundo o próprio por motivos pessoais. A bomba explodiu quando no recomeço desses comentários “O Povo da Barca” não respeitou a sua posição de líder de um partido político, colocando o seu artigo na secção de “Correio do Leitor”. António Rocha expressou a discriminação grave a que foi sujeito, e o caso parece que tinha terminado por ali, com prejuízo da imagem do jornal e do seu director. Mas estamos em Ponte da Barca, e numa terra com 2 jornais apenas, o líder de um partido não se poderia dar ao luxo de manter um “corte de relações” por mais do que alguns meses com um desses jornais após ser politicamente discriminado. Será ou não será assim? Questões complexas de uma terra onde tudo é um jogo de intrincadas redes e conflitos.

 

 

 


sinto-me:

talhado por o barqueiro às 00:17
link do post | botar farpas (=comentar) | favorito

Terça-feira, 15 de Julho de 2008
Lavradas e o PSD querem a ponte de Lavradas ainda este ano!

Lavradas e o PSD querem a ponte de Lavradas ainda este ano!

 

Mais uma vez temos o presidente de junta de Lavradas, Lino Ventura, e a Comissão Política do PSD nas luzes da ribalta. O que não temos é a ponte de Lavradas. Mas eles querem-na senhor presidente! No que você se foi meter! Isso de promessas em Campanha Eleitoral... é o que já sabemos. Prometeu uma obra que não passa directamente pela Câmara Municipal, e agora tem as "laranjas" à porta.

 

 

Já se perderam a conta às vezes em que este blog se pronunciou acerca da tal obra, e não há-de ser a última, mas aqui vai uma vez. Desta vez o barqueiro vai explicar aos que querem a ponte como se fossem "muito burros", sem querer ofender é claro, ou seja, como se fosse um professor da escola primária a explicar aos seus alunos. Uma ponte sobre o rio Lima, como estrutura integrante de acessos a uma via como a IC28 não fica nada barata. Lembram-se da ponte que dá passagem para a IC 28 e Arcos de Valdevez a partir da entrada nascente de Ponte da Barca? Foi cara não foi? Pois uma ponte destas provavelmente ficaria por um preço igual ou superior a essa ponte. Agora pensem: na altura essa ponte justificou a construção, tanto que na zona a única travessia era a antiga ponte medieval, e além disso localiza-se num ponto em que o trânsito vindo de Braga pela estrada nacional passa para a outra margem para chegar a Arcos de Valdevez. Sendo assim, pensem se os milhões de euros a gastar em Lavradas justificaria o tráfego diário que iria ter, numa zona entre Ponte de Lima e Ponte da Barca. Iria servir a população de umas quantas freguesias, ligando-se a uma estrada nacional, em Lavradas, cujo tráfego é baixíssimo considerando que o tráfego entre as localidades principais se faz pela IC 28 de Ponte de Lima a Ponte da Barca e Arcos de Valdevez. Resumindo: querem fazer um tão grande investimento para servir "meia dúzia" de pessoas das proximidades. O governo desperdiçaria esse dinheiro num tempo de crise financeira a nível global? Além disso é contranatura uma partido como o PSD contestar o grande investimento público de Sócrates a nível nacional, como por exemplo o TGV, a ponte sobre o Tejo e o aeroporto, e a nível local considerar o tal investimento público a solução para os problemas. Acho que esta é uma visão credível, para um partido como o PSD, na oposição e próximo das eleições, reflectir acerca do seu estado de confusão aparente, e conseguir tomar um rumo certo como oposição e como a alternativa que os barquenses não têm conseguido até agora encontrar nem à esquerda nem à direita.

Só mais duas coisinhas para fechar este assunto. Primeiro: o PSD quer a ponte ainda este ano, por isso que tanto o PS local como o PS no poder governativo central que se cuidem, que vão ter que ser muitíssimo rápidos! Segundo: a JSD de Ponte da Barca vai ter que melhorar as suas fontes de informação, pois referiu na imprensa, a propósito da visita a Lavradas, que a IC 28 vai receber portagens brevemente. Trata-se de uma falsa notícia, tendo em conta que o Governo anunciou que as portagens nas SCUTs não avançarão até às eleições, e a IC 28 nunca as receberá, já que não se trata de uma SCUT. Deveriam-se sim referir à A28 (Porto-Viana do Castelo) ou à A27 (Ponte de Lima-Viana do Castelo), essas sim, SCUTs.

 

NOTA: Pode ser que o PSD local tenha a solução para justificar e possibilitar um investimento tão desproporcionado, já que Passos Coelho esteve em Ponte da Barca, e assim como, ao contrário de Manuela Ferreira Leite, dava a solução para a crise do país, poderá ter dado a solução milagrosa para este caso.


sinto-me:

talhado por o barqueiro às 00:56
link do post | botar farpas (=comentar) | favorito

Domingo, 25 de Maio de 2008
Ping Pong político

Ping Pong político

 

Depois do aquecimento, no qual se formou uma "nova" comissão política, com o "ressuscitado" Cabral de Oliveira à cabeça, e se reelegeu outra, pois na equipa vencedora não se mexe, passamos finalmente à fase do "ping-pong". Esta é mais uma das fases típicas da política, em que se tenta, num jogo de "dá e leva", demonstrar qual das partes já fez mais borrada. No fim ganha a equipa que tem o maior "monte de merda" produzido ao longo dos seus tempos de actividade. Neste particular, diga-se, nem sempre é fácil contabilizar quem produziu o maior "monte". Talvez porque a dimensão do "monte" coloque muitas limitações a nível técnico, sendo difícil de medir com os instrumentos de medida disponíveis. Ou talvez porque as borradas que atiram uns aos outros sejam demasiadamente intensas a nível olfactivo, de forma que a medição de quem produziu maior "monte" se torne uma tarefa em que no fim ninguém aprecie muito "meter o nariz". Já lá dizia um sábio que os políticos se assemelhavam a bebés, quando decidiam desatar a fazer birras, e que por isso deveriam também usar fralda. Com uma única diferença: usar a respectiva fralda não no rabiosque mas na boca, o local de despejo do político.

Apesar da política ser uma das mais antigas actividades do Homem em sociedade, com se pode perceber por esta pequena reflexão actual e local, o grau de evolução e aprendizagem nessa actividade não tem sido proporcional à sua idade.

E toda estas reflexões vêm a propósito da já falada fase do "Ping-Pong", que se iniciou agora de forma mais intensa em Ponte da Barca.

De um lado o Presidente Vassalo Abreu a dizer "Nunca se fez tanto em tão pouco tempo". Do outro a mulher da casa laranja, Rosa Arezes, "(...) nunca se falou tanto em tão pouco tempo!". Temos assim o PS a dizer que já fez muito, mesmo antes de ainda concretizar ou iniciar grande muitos dos seus divulgados planos. E o PSD a dizer que o que se faz é falar de mais, esquecendo-se do que andam também eles a fazer. De um lado temos a comissão laranja a dizer que o "despesismo descontrolado aumenta despesas". Do outro temos Vassalo Abreu e José Pedro Amaral a dizer que as despesas em comparação com os executivos do PSD diminuiu, e mesmo "assumindo que a dívida à banca subiu", a dívida aos fornecedores diminuiu na mesma proporção. Atira-se um "poio" à cara, e em reposta atira-se um ainda maior. "Vocês têm dívidas!". "Mas vocês ainda tinham maior que nós!". Típico das birras de infância. De um lado temos ainda Abílio Silva a dizer "50% de desconto para justificara falta de bom senso e de sensibilidade social na aplicação de tarifas de água e saneamento". Do outro temos (páginas à frente no mesmo jornal!) um A.Dias a dizer que o "Futuro" prometido pelo atrás referido para Vila Nova de Muía não passaram de promessas, como os caminhos que não foram beneficiados. Refere serem "uma camada de mentirosos" e "só temos homem para fazer favores em troca de votos e para o cheque que vem no fim de cada mês". Atira-se o "poio" em forma de dever cívico de membro de assembleia de câmara, e logo a seguir leva já a resposta: "Ai é!? Então toma lá este que fizeste, que é para estares caladinho!". No maio de tudo isto ainda se tem tempo para as birras de um que muitos julgavam "desaparecido em combate", pelo menos dos "combates" mediáticos da imprensa local. Trata-se de Jaime Pancha, que na assembleia municipal atirou o "poio" do executivo do "lixo à porta", e qual o espanto de todos quando embirra com os "parcómetros". Daqui fica uma aviso: "Amigo, esse poio que você queria atirar já foi há uns tempos, esse já está fora de contexto... ou melhor, de validade! Acho que anda um bocado perdido...".

 

 

De forma a tentar sair limpa desta batalha de excremento, vem a comissão política do psd dar uma sugestão construtiva para o executivo: ceder terreno a Misericórdia para construírem equipamentos sociais, após o chumbo do financiamento pelo PARES. E o "Tó Parolo da Barca", de Marques Pereira, diria: "Doar terrenos?! Onde é que eles enfiam o dinheiro para andarem aí a pedir?".

Para conclusão fica o concelho do barqueiro a todos os protagonistas referidos e aos restantes por extensão: "Metam uma fralda!... na boca! Até por respeito aos que querem que vos dêem os votos."

 

 

P.S.: Chama-se a atenção para o leitor não fazer confusão entre os escarros de gestão que os referidos atiram uns aos outros, chamados de "poios", e o "poio" que cuja designação é atribuída por este blog ao bloco de betão que se está a construir por cima do panorâmica histórica e turística de Ponte da Barca. Até por que convenhámos, "poios" daquele tamanho não são fáceis de fazer, bem devem saber...

 

 

 


sinto-me:

talhado por o barqueiro às 02:07
link do post | botar farpas (=comentar) | favorito

Sábado, 12 de Abril de 2008
Dá-me o poleiro já!
Dá-me o poleiro já!!!

Também em Ponte da Barca tem havido faltas de respeito, não só em relação aos professores, como a todos os outros barquenses que tenham outra qualquer profissão. É verdade, ainda estamos a 1 ano, ou coisa parecida,  da próxima época de meter cruzes nos quadradinhos, e eles, os interessados, já andam aí no "peditório". E o pior é que falta 1 ano! Em vez de andarem "no terreno" durante os 4 anos, só "sujam as mãos" quando as veneradas eleições estão à porta. Mais uma vez o povo está a ser por eles "temperado", para nas eleições ser "comido até aos ossos", e no fim "jogam-se os ossos no lixo". É o costume, o povinho apesar de admitir que são sempre iguais, lá chegam às eleições e votam em algum desses "iguais". A ambiência política faz "o povo", habituado a ser comodista, esquecer que o boletim de voto pode ser deixado por preencher, ou pelo menos que existem forças políticas alternativas, a quem raramente é dada confiança.
Depois destas divagações iniciais, falemos do concreto. A nova comissão política de "Messias" Cabral vem para o jornal indignar-se. "Indignar-se" é uma actividade que este líder partidário certamente terá descoberto com a entrada deste novo ano de 2008, e certamente lhe terá dado gozo ao ponto de em poucos meses se "indignar" vezes suficientes para compensar o resto dos anos em que esteve "desaparecido" da lide política.
Se quiser ver alguém que também pratica "indignação", pode ver:



Desta vez, não é o actual executivo que é opressor de opiniões, a "mordaça", como ele já referiu. O problema agora é que os "tiranetes", que Rosa Arezes fez questão de chamar a membros do poder actual, estão a praticar "despesismo" e "luxo disparatado", a propósito das obras no antigo Tribunal que se irá tornar Câmara Municipal ("indignação" no "Notícias da Barca"). Enfim, os políticos gostam de "comodidade" nos locais onde dizem que trabalham! Mas há algo de estranho: se se estão a fazer locais de trabalho luxuosos, porque é que a nova comissão se queixa? Não são eles que também almejam chegar à presidência? Logo, se conseguirem, ficarão "bem instalados", não?! Já Olinda Barbosa não se irá sentar nos novos sofás da nova Câmara. O membro do partido que tem mantido actividade mais regular ao longo de todo, e repita-se, todo este mandato, como se pede a um político, foi "atirada para os porcos". Candidatos? Só os praticantes de "trabalho útil", ou seja, os que trabalham quando as eleições estão aí, pois é isso que realmente é "útil".
Do lado do PS não tardarão provavelmente também a virem para o jornal sessões de sedução do eleitorado. Aliás, o líder da "Juventude Socialista Virtual",  José Amaral, em mais "Notas Relevantes", vem dizer "(...) o actual executivo camarário merecerá (mau seria se assim não fosse) novamente a confiança dos barquenses (...)". "Não pá, ninguém pensa nisso! Perder?! Não passa pela cabeça de ninguém!" seriam palavras do barquense persuadido com sucesso. A eleição da comissão política deste lado da "barricada" foi marcada para 11 de Abril. Veremos o que daqui irá sair.
Pelos deliciosos apelidos dos membros actuais do PS, "tiranetes", dados pela "mulher de barba rija" Rosa Arezes, podemos desde já concluir, que mesmo com este atraso de entrada em cena em pleno do PS, a política barquense já estar no patamar em que mais gosta de estar: na "lama", juntamente "com os porcos".

sinto-me:

talhado por o barqueiro às 20:35
link do post | botar farpas (=comentar) | favorito

Domingo, 30 de Março de 2008
“Mesmo mesmo animal só conheço o Homem”

“Mesmo mesmo animal só conheço o Homem”


“Mesmo mesmo animal só conheço o Homem”, foi esta a frase que serviu de título ao último artigo de André Duarte sobre os direitos dos animais, no último “O Povo da Barca”. E de facto, foi durante estes últimos jornais regionais que se pode comprovar tal afirmação. Há momentos em que para além de ser animal, o Homem se comporta de forma realmente animalesca. É algo que lhe está na essência. E nesta época que começa a ser “quente” na politiquice do costume, vêm à cena o regresso do “desaparecido” Cabral de Oliveira e o prazo urgente do actual executivo para por em prática os grandes projectos prometidos. São estes “os meus pretextos de hoje”, como diria Manuel Soares.

 

Foi na tomada de posse da Comissão Política “nova” (para quem já se esqueceu que os senhores da lista já há tempos que andam a “chafurdar” na política), que Cabral de Oliveira fez mais um hino à forma mais típica e fácil de fazer política. Tal como António Rocha já disse, a política faz muitas vezes com o ataque ao adversário, tentando deitá-lo abaixo, deixá-lo estendido no chão. Mas a política existe para servir as pessoas, e não para adversários políticos entrarem em ataques uns aos outros para ver quem sobrevive. Às pessoas isso pouco importa. Querem-se soluções. Fica daqui a sugestão do barqueiro aos políticos da terra: se querem “lutar” e “guerrilhar” com os adversários, combinem um “mano a mano” e não chateiem os eleitores com ataques uns aos outros. È gozar com o povo. Pois é tudo isto que o PSD de Ponte da Barca tem feito, agora com Cabral “ao leme”. Começam exactamente por fazer o contrário do que se pedia a uma oposição que se tem que afirmar como solução para os problemas actualmente não resolvidos da terra: entretêm-se a “guerrilhar” contra o poder actual, a dizer que já no passado foram melhores. Os discursos da tomada de posse da nova comissão foram tudo isto: uma “arraial” de política de “guerrilha”, fazer dos presentes e do povo “palhões”. Cabral disse que com o actual poder político se vive “um clima de mordaça, de chantagem, de intimidação, de medo.” Primeiro: alguém da especialidade de psicologia ou psiquiatria que faça ver a este Clínico Geral que não é um “capitão de Abril”, no qual patologicamente está convencido que é. Cabral disse que “o PSD tem claramente as pessoas mais habilitadas e a experiência e o saber do caminho percorrido”. Segundo: o “saber” que dizem ter pode ter um lado perigoso, na medida em que podem tornar uma força de controlo sobre as populações, o novo “Big Brother”, quando afirmam conhecem as 25 freguesias e “pelo seu nome a esmagadora maioria das pessoas e grande parte dos seus problemas”. A cereja no topo do bolo foi Rosa Arezes ter afirmado coisas como “continuo a acreditar (…) na difícil e nobre arte da política, como lhe chamou o Concílio Vaticano II” e chamar “tiranetes” a actuais figuras do poder político. A questão dos “tiranetes” já terá ficado explicada atrás. A questão do “Vaticano II” e política misturada, não deve ser lá muito boa. Portugal é um país laico, mas infelizmente políticos como estes ainda manifestam o tradicional conservadorismo português. Fechemos o “dossier PSD” com a frase proferida por Cabral de Oliveira, que se auto elogiou como “cidadão e como homem que, durante vários anos, deu o melhor das suas energias em prol do desenvolvimento do Concelho.”. Poderá pensar-se então que ele fez tudo de bom nos mandatos que o PSD e ele tiveram, e que apenas em 3 anos de governação deste actual executivo, foi desfeita a sua obra e encontrámo-nos na actual situação de paupérrimo desenvolvimento! Se já o vimos a dar o máximo das suas energias e nunca houve sinais de desenvolvimento e de boa política, então estamos mesmo mal!   

 

Passando ao “dossier PS”, o actual executivo começa a dar alguns sinais de que os projectos começam a avançar. Finalmente arrancaram o Centro de Dia de Cuide Vila Verde e da Creche de Oleiros. Finalmente alguma preocupação social no concelho, especialmente com os idosos que actualmente de pendem da doação de boas “maquias” para poderem estar num lar, com as condições que merecem. Para além destes sinais positivos começarem a aparecer, não se perdeu o ritmo político da “promessa”, e para além de outros projectos que ainda se falta ver a arrancar, prometidos para este ano, o PS brindou o povo com mais uma “dose” de promessas: Lar de Idosos em Lavradas e Entre Ambos – os – Rios ainda este ano. Iremos ver (esperemos que não) se tanta promessa agendada para este ano não “encharcou” a máquina camarária ao ponto de a “gripar”. Assistimos ainda à recente entrevista (no “O Povo da Barca”) de José Manuel Amorim, o presidente da Associação Social e Cultural dos “Amigos de Ponte da Barca”, que irá ter o seu momento mais importante da sua existência com a construção das obras que agora se iniciaram, referidas atrás. Para introduzirmos a questão central, convém relembrar alguns pontos importantes, não esquecendo que esta Câmara, está agora a dar alguns sinais, ainda muito fraquinhos, mas está. Poderá ser por as eleições estarem próximas? Até pode ser, mas dá-se o “desconto” de esta espera desde o início do mandato ter sido um período de “arrumação da casa”, por se tratar do primeiro mandato dos actuais rostos. O ponto mais importante é que a desconfiança política está longe de ter sido combatida por este executivo, particularmente na velha questão política dos “jobs for the boys”, ou seja, a tipicamente portuguesa “cunha”. É esta a oportunidade de provarem que realmente são diferentes: com as obras que se iniciam, postos de trabalho vão ser criados, e é o derradeiro teste perante o povo barquense de lhes fazerem ver que são políticos diferentes, possuidores da “seriedade” que vão apregoando aos barquenses. Acabando com os lugares e postos previamente atribuídos, poderiam merecer o maior elogio, não só do barqueiro, como de todos os barquenses (ou quase). Seriam um exemplo para Portugal. E o barqueiro está agora a pensar: Sonha, sonha, que assim vais longe! Se funcionar como sempre funcionou, já há muito que os lugares, ainda na fase virtual, estarão atribuídos. O início já por si é comprometedor. Elementos actuais do executivo PS faziam parte do “antigo” CDS – PP, inclusive este presidente dos “Amigos da Barca”. Houve a aliança mais improvável de imaginar noutro qualquer sítio: PS e PP. Acabou-se o partido da direita propriamente dito, e hoje são todos “socialistas”. É de rir. Já por aí começou a cheirar a “panelada”. Na entrevista do tal José Amorim, antigo líder do PP, foi proferido que “Os novos equipamentos sociais vêm dar resposta a uma necessidade da população”. Fica o grande receio do barqueiro de não só “darem resposta a uma necessidade da população”, como darem resposta a “necessidades” dos detentores da “varinha” do poder.


 


sinto-me:

talhado por o barqueiro às 18:32
link do post | botar farpas (=comentar) | favorito

barqueiro
pesquisar
 
Março 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


barcalhoadas recentes

"Putos" dão uma ajudinha ...

Oposições confusas

Lavradas e o PSD querem a...

Ping Pong político

Dá-me o poleiro já!

“Mesmo mesmo animal só co...

“Novo Rumo” com as mesmas...

todas as barcalhoadas já assistidas

Março 2010

Fevereiro 2010

Dezembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

tags

todas as tags

Visitas
Vídeo do mês: Política para Totós
subscrever feeds