Domingo, 2 de Novembro de 2008
Capital do homenageanso por 2 dias

Capital do Homenageanso por 2 dias

 

Foi nisso que Ponte da Barca se tornou nos dias 23 e 24 de Outubro. Não que se queira gozar com o momento, ou algo do género. Até fica bem "a quem passa", mas não é de cá, ver tanta homenagem por habitante:

 

"Quem Passa":  Tanta homenagem! Terra de Progresso?

"O Cá da terra": Não, nada disso! O que isto é mesmo é terra de homenagens!

 

Fora de brincadeiras... Em terra de homenagens o progresso não ser proporcional, pode ter várias explicações: entre as quais... várias. Olhe-se 2 casos distintos, que por si só constituem 2 explicações diferentes para o mesmo facto: homenagem do juíz conselheiro Sebastião da Costa Pereira e medalha para o restaurante "O Moinho".

 

No primeiro caso, o Juíz Sebastião da Costa Pereira foi homenageado por uma vasta e riquíssima carreira na área da justiça e fora dela: nomeação de juíz conselheiro do Supremo Tribunal de Justiça, Presidente da Secção Criminal do Supremo Tribunal, sócio fundador da Associação Portuguesa  de Estudos Parlamentares, entre outros marcos de carreira. Do currículo e suas qualidades enquanto pessoa e profissional, ninguém duvida, portanto. Junte-se ainda o facto de ser natural do Porto. Se falarmos de uma homenagem pelo Rotary Club de Ponte da Barca a este senhor, a perspectiva de análise da dita homenagem muda. Isso torna-se ainda mais evidente com as justificações dadas nos jornais, antes da homenagem, onde o Rotary justificou a homenagem: "(...) está profundamente ligado a Ponte da Barca, através da Casa das Ínsuas e da casa da Torre de Pousada, na freguesia de S.Tomé do Vade." A seguir o estatuto de um homenageado definido pelo fundador do Rotary: "Recorde-se que, ao fundar o Movimento Rotário, em 1905, o pensamento de Paul Harris era dar um contributo para servir a Comunidade através da sua profissão." Segue-se mais um parágrafo de fundamentação para a homenagem: "Os fundamentos do Rotary Internacional estão, de facto, impregnados de importância dos Serviços Profissionais...".

E assim, de um alto cargo da justiça se fez um homenageado de serviços à comunidade através da profissão, comunidade essa que se julga ser Ponte da Barca, porque este Rotary Club é de cá, mas esse homenageado é ligado à terra através de duas casas património histórico... Recita complicada de uma grande homenagem, uma homenagem gourmet, talvez...

 

No segundo caso, nas habituais comemorações do "Dia do Município", muitos foram os medalhados: pelos "anos de serviço", pelo "mérito municipal social", pelo "mérito municipal cultural", pelo "mérito municipal desportivo" e pelo "mérito municipal económico". Uma breve referência para o "mérito municipal social", onde dois representantes da Igreja, dois "Revs. Padres", levaram a medalha... Mais uma vez a Igreja é elogiada na sua vertente social... talvez esse serviço social seja o "apoio espiritual" prestado às suas "ovelhas brancas", porque às "pretas"... Bom, mas destaque para essa sim, a melhor homenagem de todas, a de "mérito municipal económico". Essa foi merecidamente para o restaurante "o moinho", com certeza um exemplo na área da restauração a nível concelhio e até regional. De referir que essa homenagem poderia ter também sido perfeitamente na categoria dos "anos de serviço" à Câmara... ou melhor, aos estômagos dos políticos da Câmara Municipal, os quais têm sido repletos no tal restaurante ao longo destes últimos mandatos às horas de refeição...

 


sinto-me:

talhado por o barqueiro às 01:59
link do post | botar farpas (=comentar) | favorito

Terça-feira, 21 de Agosto de 2007
Desrespeito pelo património

Falta de cultura leva a faltas de respeito pelo património

   

Recentemente assistimos no "Notícias da Barca" a uma troca de palavras entre M. C. Soares e Alípio Pereira. É triste que pessoas se zanguem por causa de algo tão nobre e importante para o concelho como é a Igreja do Mosteiro de Bravães. Ainda mais triste é o facto de alguém que não é da freguesia de Bravães, como é M. C. Soares, venha alertar numa edição anterior do referido jornal para a falta de acompanhamento e informação dos turistas que visitam esse monumento de Bravães e a Igreja Matriz, e venha o senhor Alípio Pereira na edição seguinte quase insultar M. C. Soares para defender a igreja que pelas palavras será da sua freguesia. É também verdade que o senhor M. C. Soares não se deveria ter alongado tanto na resposta a Alípio Pereira, tornando-se muito extenso. Mas a verdade essencial está do lado de M. C. Soares: os nossos monumentos, como são a Igreja de Bravães e a Igreja Matriz mereceriam uma muito maior atenção das entidades políticas do concelho: os turistas actualmente deparam-se apenas com as paredes e beleza dos monumentos, mas com poucos meios que os permitam seguir as suas visitas.

Numa outra freguesia, em Vade S. Tomé, uma coisa muito mais grave poderá acontecer. Depois do alerta de António Pestana Raposo acerca das intenções de destruir o vestígio de uma antiga via romana e seus muros para fazer obras numa via de acesso na freguesia, o presidente de junta Joaquim Silva Lopes vem reponder em tom de "chico esperto". Se não se lembra dessa denúncia pode ir ver o comentário já publicado neste blog em http://nadasobreabarca.blogs.sapo.pt/22279.html. Alguns desses argumentos que permitem classificar desta forma o comentário nos jornais deste presidente de junta são:

"1º - Este senhor esquece-se que esta obra é a ligação interior do lugar de Paredes ao lugar da Mouta"

"2º - Não é de modo algum benefício de pessoa singular mas sim de interesse público."

Claro, o arranjo de um caminho da freguesia sobrepõe-se ao valor do património histórico, marco no tempo da cultura de outrora. Senhor presidente, lembra-se de Foz Coa? Era uma barragem de interesse fundamental para esse concelho inteiro e não fui para a frente? Quer que um caminho destrua um pequeno mas simbólico vestígio da ocupação Romana?

"3º - É verdade que há um muro em mau estado, e outro ruiu na estrada da Mouta, mas esse senhor não diz nada que a queda do muro se deve a um desaterro que ele próprio fez à revelia da Câmara Municipal."

Claro, vamos lá descobrir os "podres" de quem se quer acusar, para ele perder toda a credibilidade - agora já se pode deitar os muros romanos ao chão.

"4º - E muito mais teria a dizer mas fico por aqui. O senhor Engº meta a mão na consciência..."

 

Este 4º ponto é no mínimo genial. "Muito mais teria a dizer..." é um bom argumento para alargar o tal caminho...

 

Como se não chagasse ainda revela uma certa estupidez ao dizer que se surpreende "que uns simples muros de vedação, ainda por cima tem as juntas feitas com cimento, se possam chamar de muros Romanos, mas enfim eram Romanos evoluídos." Senhor presidente, olhe para a estrada romana junto à rua Trás do Forno na vila e veja lá as tampas do saneamento. Não é por causa disso que não deixa de ser Romana. Perdeu foi parte do valor que posssuiria se fosse preservada, tal como provavelmente acontece com esses muros dos "Romanos evoluídos". O facto de ambas as estradas não serem preservadas deve-se ao simples facto de quem governa as nossas terras não ter visão, cultura ou o que quiserem mais chamar.

Na opinião deste insignificante blog, o IPPAR deve ser chamado para avaliar de facto e objectivamente esta situação, de forma a orientar da melhor forma este problema.


sinto-me:

talhado por o barqueiro às 10:32
link do post | botar farpas (=comentar) | favorito

Sábado, 21 de Julho de 2007
Atentado em Vade S.Tomé

Atentado em Vade S.Tomé

Uma notícia no mínimo insólita vem de Vade S.Tomé. O presidente de junta Joaquim da Silva Lopes é acusado de querer destruir um caminho romano, na imprensa regional, por um senhor preocupado com o património histórico que possuímos, e que infelizmente poucos sabem dar o devido valor. No contexto de obras das estradas e caminhos da freguesia, o presidente de junta e Câmara Municipal pretendem alargar também a referida estrada romana, destruindo também, os muros com mais de 2000 anos, com cerca de 200 metros de comprimento. Num excerto do artigo escrito para os jornais da terra pelo senhor António Pestana Raposo lê-se:

"(...) no dia 5 deste mês, recebi uma carta do advogado da Junta de Freguesia dizendo que era intenção da Junta alargar o caminho, fosse de forma consensual ou expropriando o terreno e o muro em causa."

 

É mais um caso que revela a extrema falta de cultura de quem governa as nossas terras. Estão no poder pessoas que não são capazes de reconhecer e até aproveitar as potencialidades do património que possuem.

 

"Como é que se pode gastar assim dinheiros públicos, destruindo património de todos e sem criar benefícios a todos?"

 

Gentes de S.Tomé: protestem! Não deixem que vos estraguem um dos muitos vestígios da ocupação romana da Península Ibérica no concelho. Já vimos o que aconteceu à via romana perto da Rua Trás do Forno há uns anos atrás: os políticos da terra avançaram com as obras de saneamento e levantaram as pedras de uma estrada com mais de 2000 anos. Hoje podemos lá ver tampas de saneamento! Resta saber como ninguém tomou medidas quanto a isso. Desta vez isso não pode acontecer. É pena é que tanto os políticos da Câmara como os da Junta tenham que ser pressionados pelas pessoas conscientes do valor do nosso património histórico...


sinto-me:

talhado por o barqueiro às 20:58
link do post | botar farpas (=comentar) | favorito

barqueiro
pesquisar
 
Março 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


barcalhoadas recentes

Capital do homenageanso p...

Desrespeito pelo patrimón...

Atentado em Vade S.Tomé

todas as barcalhoadas já assistidas

Março 2010

Fevereiro 2010

Dezembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

tags

todas as tags

Visitas
Vídeo do mês: Política para Totós
subscrever feeds