Sábado, 25 de Abril de 2009
Comemoração do Dia da Árvore com 250 toneladas de abate

Comemoração do Dia da Árvore com 250 toneladas de abate

 

 Pela mesma altura em que os jornais locais noticiavam a celebração do Dia Mundial da Árvore, a 21 de Março, era também trazido a público o Edital do Município de Ponte da Barca onde se anunciava “Alienação de Material Lenhoso”.

Explicando melhor: os agrupamentos de escolas do concelho, as Juntas de freguesia, com destaque para Britelo e Ponte da Barca, e a Câmara Municipal promoveram os festejos, com actividades particularmente destinadas à educação ecológica das crianças, nas referidas freguesias. Por outro lado, saía o Edital anunciando a venda em acto público de um total de cerca de 250 toneladas de lenha, em grande parte resultante da operação “novo look” do choupal.  Palavras para quê?!

Como já foi aqui neste blog recentemente comentado, uma das principais imagens turísticas da vila, a zona ribeirinha com os seus arvoredos transmitindo frescura e saúde a quem lá passa, está em parte destruído pelo abate do choupal. Em seu lugar ficou algo parecido com um complexo megalítico, não fossem as supostas “pedras talhadas há milhares de anos” serem na realidade os troncos que restam do belo choupal que tínhamos. Que ensinamentos estes políticos estão a dar à juventude? São estas as mentalidades ecológicas necessárias para o futuro? O que se passará na cabeça de quem toma estas decisões? Já para não se falar da justificação do vereador da segurança civil, José Pontes, que diz que o abate se deveu a precaução que era necessária tomar em relação a uma possível queda de árvores em caso de intempérie. Que terra de vendavais é esta que temos?!

 

 

Pode até ser que a maior parte dos jovens presentes nestas comemorações não se tenham apercebido desta contradição entre abate de árvores e da apregoação da ecologia e do respeito pela natureza. Mais cedo ou mais tarde, quando o grau de maturidade o permitir, a maior parte deles poderá descortinar tudo o que acabou recentemente de acontecer. Aí verão que o povo sofreu mais um desrespeito por parte dos seus políticos.

 


sinto-me:

talhado por o barqueiro às 01:55
link do post | botar farpas (=comentar) | favorito

Domingo, 29 de Março de 2009
Vida de político em ano de eleições

Vida de político em ano de eleições

 

O que é que um politico em ano de eleições faz? Bem, o barqueiro não será com certeza a melhor pessoa para responder, até porque não tem experiência nesse ramo… Mas já a dupla presidente – vice-presidente, Vassalo Abreu – José Pontes, poderá esclarecer o leitor acerca desse estilo de vida. E se se quiser ser um politico próximo daqueles que lhe poderão dar a continuidade de “poleiro”, ou seja, os eleitores, mais diversificado terá que ser esse dia a dia de político.

Quem é que é capaz de comer vários porcos num mesmo dia, festejar o Carnaval, e nas manhãs seguintes acordar para cumprir religiosamente o acto de engolir óstias numa missa? Analisando por outro prisma, quem é que é capaz de vestir a pele de um popular esquerdista, que “come” do mesmo “prato” do seu povo, e no dia seguinte transfigurar-se num conservador católico de direita? A resposta é: o “Animal Político”, como disse uma vez Aristóteles.

E quem são os “animais políticos” de Ponte da Barca? Esse é um problema ainda maior… é que sabe-se que eles estiveram presentes nas muitas cerimónias de “comes e bebes” de Carnaval, junto do seu povo, mas quando as objectivas das máquinas fotográficas tentaram captar o ambiente desses “comes e bebes”, os “animais políticos” não estavam em lado nenhum! Como pode isso acontecer?! Não é suposto o político estar junto do povo a comer do mesmo porco, colhendo votos, e ao mesmo tempo estar junto daqueles que os vêm nas reportagens dos jornais locais, colhendo ainda mais votos?! Terão eles vergonha de serem captados à procura do “rabo” dos ditos sacrificados para o sarrabulho?

Estranha esta aparente atitude de resguardo das máquinas fotográficas dos jornais… Desta forma este blog só pode premiar os seus leitores com a caça ao Wally. Onde estão então os Wallys?

 

Em Oleiros, bem escondidinhos, lá estavam Vassalo Abreu, Manuel Lima, o presidente de junta, e Paulo Pimenta, o presidente da Assembleia Municipal.

 

 

 

Em Lavradas é impossível fazer avistamentos desta perspectiva fotográfica…

 

 

Em Lindoso a mesma coisa, quem sabe se nenhum dos políticos seria um Spider Man em dia de Carnaval…

 

 

E assim se passaram “comezainas”, e os políticos do costume, de forma surpreendente não foram captados nessa actividade que é comer… Ohh! Que azar… lá vai o barqueiro ter que disponibilizar alguns bons momentos à mesa guardados nos arquivos deste blog…

 

http://nadasobreabarca.blogs.sapo.pt/44834.html

http://nadasobreabarca.blogs.sapo.pt/3003.html

http://nadasobreabarca.blogs.sapo.pt/43047.html

 

 

Mas, no fim de todas estas reflexões, algo começa finalmente a fazer algum sentido… Será que a mensagem que Vassalo e companhia querem fazer passar neste ano importantíssimo de 2009 é que “deixamos de ter gente para o prato” e passamos a “ter gente para o trabalho”? A julgar pelo lançamento da primeira pedra do Centro Escolar de Crasto, parece que temos de facto boa gente para a betoneira e para os baldes de cimento. Apesar de tudo, dois erros comuns de “aprendiz de trolha” foram cometidos: Nunca pegar na pá do cimento com gravata, e nunca trabalhar com outros 4 ou 5 aprendizes a olhar.

 

 

 

A mensagem de “estou cá, mas por desporto” foi passada com o comunicado ao Partido Socialista que Vassalo e os restantes candidatos PS do distrito fizeram, ameaçando não se candidatar pelo PS se Defensor Moura for aceite como candidato do partido. Entretanto, nos jornais locais Vassalo é anunciado como recandidato PS à Câmara Municipal…

 

 


sinto-me:

talhado por o barqueiro às 02:35
link do post | botar farpas (=comentar) | ver comentários (7) | favorito

Instabilidade meteorológica na zona ribeirinha

Instabilidade Meteorológica na zona ribeirinha

 

A ponte está desmoronar-se, o choupal foi cortado… O que virá a seguir? Seca-se o rio Lima?!

 

Após o tristemente caricato episódio do desmoronamento de uma parte da Ponte Medieval, soube-se que a ponte estava sinalizada há uns anos como necessitando de beneficiação. José Pontes, vice-presidente e vereador da protecção civil, veio dizer ao país, porque se tratou de um assunto dessa mesma dimensão, que a ponte iria estar fechada 3 a 4 semanas para a realização das devidas obras da parte desmoronada. O barqueiro avançou que as contas estavam provavelmente erradas, e hoje o resultado está à vista. O que está prometido, pela Estradas de Portugal, é que o projecto de reabilitação de toda a ponte esteja pronto até ao Verão, para que as obras arranquem antes do próximo Inverno. O que é que se há-de dizer? E o que pensar de políticos que, como José Pontes, dizem em plena Assembleia Municipal acerca da ponte que “Não tenho as melhores aptidões para o mergulho”? E isto já não é má-língua… É algo que faz parte de passar ou não a imagem de seriedade na política…

 

 

Ainda que ninguém queira “mergulhar” quando pela ponte passar, a imagem do mergulho devida a uma ponte em “ruínas” não deixa de ser a imagem que Ponte da Barca transparece, no que respeita ao seu nível de desenvolvimento, que não é mais do que estagnado. Infelizmente, a promessa de mudança trazida por uma viragem à esquerda, tendo em conta que a direita governou durante muitos anos, poderá não passar de uma miragem para os que nela acreditaram. E isto “poderá”, porque segundo o Plano Estratégico, recentemente divulgado no “Notícias da Barca”, a maioria dos projectos para o concelho não será concretizado neste mandato, pelo que o apelo ao voto está já a ser feito. Um plano como este é, em verdade, necessário. Mas é concretizável? Não seria melhor definir bem prioridades mais urgentes? Serão todos os projectos financeiramente possíveis e com retorno para o concelho? Parece que estamos condenados à pequenez, e a prova disso é o anúncio da construção de mais um mini-campo de futebol, para além do que já existe… entretanto, a zona desportiva tão almejada e mais necessária onde está?

Mas como nem tudo é mau, há que também saber elogiar… E o destaque do barqueiro vai para a requalificação das estradas EN 101 e 203. Já há muito necessária, a requalificação dessas vias permitirá finalmente ter boas vias de acesso no concelho, principalmente boas vias de entrada na vila. Espera-se assim que os buracos e o mau aspecto dessas vias, para quem vem de visita à nossa vila, por exemplo, acabem.

 

Regressando à zona ribeirinha da vila ponte está entretanto transitável, mas nas tristes figuras em que se encontra. Tem remediado, e os motoristas de veículos de mais de 2,2 m que o digam! Tem sido um divertimento tentar acertar nas placas colocadas sobre a via. Ponte da Barca teria que aprender a viver sem esta passagem sobre o rio Lima, mas parece que ninguém tem vontade de mudança, por mais pequena que seja.

 

Entretanto, talvez devido ao facto da zona ribeirinha ser uma zona de instabilidade meteorológica, já não chegava a queda de parte da ponte, e o choupal foi varrido por um fenómeno que o transformou num parque de troncos. Não é que seja uma expressão artística de um qualquer criador, é tudo por uma questão de “segurança”! Segundo o inevitável José Pontes, “Quando se trata da segurança dos cidadãos, não pode haver negligência”. Mais um dos elementos do tão apregoado “postal” turístico de Ponte da Barca que foi perdido: o choupal. Parece que a solução técnica passa pela plantação de “árvores de copa mais abrangente”, tudo patrocinado por mecenas. A ver vamos, nesta terra de fortes e devastadores “vendavais”.  

 

 

 


sinto-me:

talhado por o barqueiro às 00:57
link do post | botar farpas (=comentar) | favorito

"Show de Bola" na Assembleia 2

“Show de Bola” na Assembleia 2

 

Mais uma vez tivemos espectáculo de “comédia” na vila. Certamente que qualquer leitor já está farto de ver chamar “comédia” às assembleias políticas, pelo que o verdadeiro significado dessa adjectivação já está de certa forma perdido. Mas dando uma olhadela às melhores citações por lá ditas, o único adjectivo pertinente é mesmo esse.

 

Tudo começa, como não podia deixar de ser, pela ponte medieval, e um bonito diálogo se pode criar com as melhores citações que lá foram proferidas, alternado apenas a sua ordem e contexto:

 

Alguém disse:

“A ponte está uma vergonha; é ver aquele jardim botânico que lá se criou”

Dando seguimento acerca da preocupação geral acerca do estado da ponte, segue-se a mítica frase de José Pontes (PS):

“Não tenho as melhores aptidões para o mergulho”.

Mas tendo em conta que todos os pareceres dizem que a ponte está de “pedra e cal”, Augusta Gabriel (PSD) foca algo que toca a todos os amortecedores que por lá passam:

“O piso da ponte está uma vergonha”

E quando se pronuncia a simples palavra “ponte”, há alguém que desperta: Lino Ventura (PSD), presidente da junta de Lavradas que recentemente recebeu a previsão para a sua freguesia da ponte sobre o rio Lima. E José Pontes (PS) lá teve que acalmar o homem:

“Onde estava o estado nos últimos anos que não fez nada e que agora faz a ponte, o gargalo e requalifica as estradas 101 e 203”.

 

Quando se toca a falar de possíveis “negociatas”, há que montar defesa, como fez Vassalo Abreu:

“Quem não deve não teme”, acerca do “poio 2” que está a ser construído por Sá Taqueiro em pleno centro da vila, e “Estou mandatado para negociar com a EDP”, acerca da Pousada de Lindoso.

 

Havia no PS quem “desse o corpo às balas”, em defesa do executivo:

“Esta é uma Câmara de obra feita” e, noutra intervenção, “Meus amigos, o Vassalo promete e faz”, por Pedro Lobo (PS).

 

No fim, quem sabe metaforizando com os elementos da assembleia, e resumindo o que se passou, fica a citação de Adelino Esteves (citada no contexto real da Capela de Boivivo):

“Lá vem as histórias da carochinha. Estão aqui uns calhaus para calcetar à volta da capela. Merecíamos melhores calhaus para aquele local”.

 

E como nota final, ficam as provas de que este executivo está a fazer obra, ou melhor, obras. Ainda mais espectacular que fazer obras, é o custo de cada uma. Muito dinheiro está a ser investido no concelho. Muitas reflexões são também possíveis, entre as quais, será que o investimento feito vai ser proporcional à evolução que se irá sentir no concelho? Com estes custos, serão as obras que ainda estão a para vir financeiramente viáveis?

A ponte de Lavradas terá um orçamento, se for realmente construída, de 7 milhões de euros, e a Porta do PNPG cerca de 800 mil euros. Mais espectacular que isto é ainda o custo do Centro Escolar de Entre Ambos-os-Rios: 3,4 milhões de euros! Já o novo quartel de GNR custará 1,6 milhões de euros.

Uma coisa também se pode daqui retirar: os Centros Escolares e Lares/ Centros de Dia previstos irão dar muitos empregos, colmatando parte de uma carência que afecta este concelho. A Associação Social e Cultural dos “Amigos da Barca” vai-se tornar um verdadeiro Centro de Emprego!

 

 


sinto-me:

talhado por o barqueiro às 00:51
link do post | botar farpas (=comentar) | ver comentários (1) | favorito

Terça-feira, 24 de Fevereiro de 2009
O que significa "património"?

O que significa "património"?

 

"Património" significa "herança paterna", ou por outro lado, "propriedade". No contexto da História, será uma propriedade que é de todos nós, e que em sucessivas gerações é deixado de herança pelas anteriores. Desta forma é algo que nos une, pela sua história, por aquilo que significa, até pela sua beleza subjectiva, e que deveria antes que tudo, ser salvaguardado. Enfim, poder-se-ia aqui a continuar a tentar explicar, mas o barqueiro talvez não seja o mais indicado, e pensa que todas as pessoas sabem o que é o Património Histórico... O que muitas não sabem é o que ele representa, e infelizmente, no nosso país, esse desconhecimento parte logo desde aqueles que detêm o poder político.

Num contexto concelhio, Ponte Medieval, Ponte Romana do Rio Vade e Mosteiro e Torre de Vila Nova de Muía representam as maiores vergonhas daquilo que é o desprezo pelo património das entidades que detêm o poder. Todos eles são Monumentos Nacionais classificados pelo antigo IPAAR, ou actual IGESPAR.

O que se passou recentemente com a Ponte Medieval da vila foi a última grande prova do desprezo pelo património. Uma das imagens de marca da vila de Ponte da Barca para o resto do país, e para os turistas que nos visitam, ruiu. Felizmente não foi nada que pusesse em causa a solidez estrutural da ponte, ou seja, nada que a ponha em risco de vir abaixo. E se fosse? É que esta ponte encontrava-se sinalizada para necessidade de reparação desde 2002 após vistoria de centenas de pontes em Portugal realizadas pela Estradas de Portugal! Enfim, é este o pobre país que o português se vai habituando a ter. As instituições não funcionam, ou pelo menos têm um funcionamento anormalmente lento. Porquê esperar quase 7 anos para se anunciarem as obras de requalificação? A triste reposta é que foi preciso esperar que a ponte ruísse. No meio de tudo isto, o cidadão assiste na imprensa nacional a declarações do vereador da Protecção Civil, José Pontes, dizendo que a Estradas de Portugal foi lenta no processo de reabilitação da estrutura, e que as obras já estavam previstas para Março ou Abril. Façamos um esforço e acreditemos que tudo não passou de coincidência... Por outro lado a Estradas de Portugal diz que as obras de reabilitação irão começar antes do próximo Inverno, e que a reparação da parte que desabou se faria em 3 ou 4 semanas. Aliás a garantia da reparação começar de imediato e levar 3 ou 4 semanas foi de José Pontes. Infelizmente, os cálculos parecem estar errados... No fim de tudo isto, não seria sensato remodelar toda a ponte e fechá-la à circulação automóvel, como no vizinho concelho de Ponte de Lima?  Aproveitemos o que de mais rico temos para o turismo. E não é só o barqueiro que o diz: são dezenas de pessoas de todo o país que se manifestaram nos espaços de opinião online dos jornais nacionais. Afinal trata-se de algo com cerca de 500 anos...

 

 

E a Ponte Romana do Vade? Sim! O que é feito dela? É que caiu num esquecimento preocupante! O anterior executivo tratou do seu encerramento, fez uns remendos em cimento, imagine-se, e assim ficou ao abandono, sem a beneficiação que estava prevista. Quando o novo executivo estava de chagada, tudo se iria fazer, e ainda nada se fez... e ainda pior, caiu em total esquecimento!  A forma como se "enterra" vestígios únicos de há quase 2000 anos é assustadora.

E que dizer do conjunto do Mosteiro e Torre de Vila Nova de Muía? Ruína é o estado em que a Torre contigua ao Mosteiro se encontra, e já há muito! É que para além de manutenção necessária no Mosteiro, a Torre está a cair. A aparente descontracção dos responsáveis tem sido também ela assustadora e preocupante. Em recente entrevista ao "O Povo da Barca", o presidente de junta da freguesia, Abílio Silva, mostrou pelo menos estar atento. E as restantes partes? Nada se ouve e nada se tem ouvido. Deveria haver um esforço conjunto de presidente de junta, presidente de Câmara, o proprietário privado da Torre e do IGESPAR... isso nunca se viu. Os políticos mostram sofrer da habitual "cegueira", e o privado que detém a Torre Medieval tem mostrado sofrer de falta de bom censo. Afinal, o empresário da vila de apelido Lopes não deveria pensar melhor naquilo que tem nas mãos? É que de gente que "não ata nem desata" já estamos bem cheios, infelizmente. O barqueiro é da opinião de que os possuidores de património histórico façam o correcto uso deles, e se esse não é feito, então que impere sobretudo a consciência do privado e do poder político, para que a se ponha o superior interesse do património, que é do interesse de todos, em cima da mesa.

 

 

Para que actos como o de colocar condutas e tampas de saneamento em vias romanas, como em anterior executivo, sejam apenas uma triste história pertencente ao passado...

 


sinto-me:

talhado por o barqueiro às 23:11
link do post | botar farpas (=comentar) | ver comentários (4) | favorito

Quarta-feira, 28 de Janeiro de 2009
Época de c(h)eias...

Época de c(h)eias...

 

Os "comes e bebes"  têm um dos seus períodos áureos nesta época que agora acabou. É o Natal e os Reis que se juntam e que cativam toda a malta, inclusive os políticos, que não podem faltar. É um paradigma da política: os políticos, para de alguma forma "pescar" popularidade, da qual se "alimentam", mostram estar próximos das pessoas, de alguma forma dar-lhes alguma coisa, nem que seja apenas simpatia... mas de facto quem está a dar são as pessoas... e a receber são os políticos... comida! Ou seja, estão a receber duas vezes!...

Após esta complexa análise sociológica, falemos sobre estas c(h)eias, que deixam cheias as barrigas de quem delas usufrui. Tudo começou pelas ceias de Natal. José Pontes lá estava a representar a Câmara numa ceia do Rancho Folclórico de Entre Ambos-os-Rios, provavelmente só a título de exemplo.

O expoente máximo destes eventos dá-se na época de Reis. Mais uma vez realizou-se a Ceia de Lindoso. E quem lá estava mais uma vez? O deputado Jorge Fão, um habitué deste jantares. Quem não se lembra das anteriores edições destas ceias, inclusive neste blog?! Para além de cá vir todos os anos comer, parece fazer algo de útil: foi mais um dos que esteve envolvido (ou querem envolver) na obtenção da grande obra que é a Ponte de Lavradas. O presidente de câmara, Vassalo Abreu, lá estava, indo até à cozinha, talvez para dar apoio moral às cozinheiras, de quem o sucesso de evento mais dependia.

 

 

 

Aproveitando a época de "vacas gordas" gastronómicas, o deputado Jorge Fão esteve presente também na Ceia de Natal do PS. Mas não foi, nem de perto nem de longe a figura do convívio socialista. As maiores figuras presentes nesta sessão de abastecimento de "depósitos gastronómicos", como José Pontes disse numa mítica assembleia municipal, foram Vassalo Abreu, Adolfo Ferreira, o presidente da comissão política, e José Pedro Amaral, líder da ex-pseudo e agora real JS. Sob o lema "Nunca se fez tanto em tão pouco tempo!!!", falou-se da "novidades", como o anúncio de recandidatura por Vassalo Abreu, das obras que foram e estão a ser feitas por este executivo PS, tendo como termo de comparação o pouco trabalho feito pelo PSD ao longo de anos, e falou-se dos projectos, esses ainda mais que as obras em execução. José Pedro Amaral aproveitou mais uma vez para mandar umas farpas à oposição, sendo que desta vez, farpas em versão oficial, têm outro encanto.

 

 

 

Será que isto de fazer muito em pouco tempo de facto convenceu os presentes, e mais do que isso, todos os barquenses? Isso veremos nas autárquicas deste ano. Uma coisa é mais do que certa: o PS já começou a fazer pela vida, e este comício espelha exactamente isso!

Se por um lado muitos acham que as obras que estão a ser feitas são muitas e boas, existirão sempre outros que não são suficientes para merecer uma vitória. Por outro lado este executivo pode merecer do benefício de se pensar que apenas um mandato é pouco para se por os planos em prática. Por outro lado ainda, este executivo pode também beneficiar do fraquíssimo termo de comparação que tem, que são os anteriores executivos do PSD, que governaram durante bem mais tempo que o PS no concelho, e pode-se dizer que praticamente nada fizeram para desenvolver o concelho, quando se pensa em todos esses anos. Tendo um termo de comparação tão fraco, não será difícil demonstrar que pelo menos se fez mais que o PSD, tendo em conta o curto tempo do PS no poder! Numa outra perspectiva, o actual executivo PS já fez "borrada" que chegue para tão pouco tempo. O barqueiro vai apenas exemplificar: o urbanismo continua a mesma "bosta", em relação aos anteriores executivos, e os jogos de interesses basicamente dão seguimento à mesma escola, como é o caso da pseudo-aliança PS-PP, que permite (talvez) arrecadar mais votos, e mais do que isso, entregar a senhores como José Manuel Amorim e seus "amigos da Barca" poderes sobre futuras instituições sociais que estão a nascer em Ponte da Barca.

Como se pode ver, a ponderação de voto é complexa de se fazer, apesar de estes pontos serem apenas uns de entre muitos! Além disso o processo de campanha 2009 só ainda agora começou, apesar de não oficial, e pelo PS. Virão os outros partidos, e sobretudo o PSD, que apesar de ter exercido uma oposição de qualidade duvidosa durante estes anos, irá com certeza discutir até à última o "poleiro mais desejado". Ainda muito folclore está para vir!...

 

 


sinto-me:

talhado por o barqueiro às 01:40
link do post | botar farpas (=comentar) | ver comentários (3) | favorito

barqueiro
pesquisar
 
Março 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


barcalhoadas recentes

Reunião(ões) da(s) Jarra(...

Vassalo "Summer Sessions"

Certame político-religios...

Política passeando pelas ...

Pontes da decadência

O lado romântico de um ex...

Comemoração do Dia da Árv...

Vida de político em ano d...

Instabilidade meteorológi...

"Show de Bola" na Assembl...

O que significa "patrimón...

Época de c(h)eias...

"Show de Bola" na Assembl...

Pai Vassalo, este Natal q...

A Guerra dos Politiqueiro...

José Pontes vs Cabral de ...

Lavradas e Sampriz com an...

todas as barcalhoadas já assistidas

Março 2010

Fevereiro 2010

Dezembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

tags

todas as tags

subscrever feeds