Sábado, 26 de Dezembro de 2009
Fugir de homossexuais: eles querem comervos!

Fugir de homossexuais: eles querem comervos!

 

Foram finalmente lançadas as bases para que os homossexuais deste país tenham a liberdade de escolher que vida afectiva querem ter. No fundo foi-lhes dada apenas agora, imagine-se, a liberdade de amar! E é disso afinal que se pode discutir acerca desse tema, para alguns tema polémico. Deste blog as palmas para a Assembleia da República.

 

 

 

"Não é que agora os homens se podem casar com homens e mulheres com mulheres?!" "E ainda por cima vão agora lutar pelo direito à adopção!" É mesmo isto, sr. barquense, aquilo de que se fala. E talvez sejam essas as expressões que foram e são usadas por alguns exemplares da cultura mais ou menos "tradicional". Basta para isso abrir um dos últimos "Notícias da Barca", onde segundo um opinador existem "Calculismos que se podem pagar caro", como por exemplo "a aberração do designado casamento homossexual", segundo as suas próprias palavras. Assim vamos nesta terra, onde provavelmente, segundo apenas a opinião do barqueiro, o referendo não traria nada de novo neste capítulo. 

 


sinto-me:

talhado por o barqueiro às 20:15
link do post | botar farpas (=comentar) | favorito

Domingo, 16 de Dezembro de 2007
Arnaldo de Sousa preocupado com a "escassez" de frango
Arnaldo de Sousa preocupado com a "escassez" de frango

Não deve ler o recente artigo de Arnaldo de Sousa Varela se estiver à espera de ler uma anedota. É o próprio que o diz no recente “O Povo da Barca”, passando-se a citar: “Não é anedota”. O aviso logo no início do artigo está lá, no entanto, só para enganar. De facto falar da preocupação de não se poder ingerir frango, bagaço ou seja o que for “caseirinho” poderá parece-lo. Mas, numa leitura mais atenta, lá se percebe que o homem está a falar de “comezaina”, não para simplesmente encher o Editorial ou por que lhe terá apetecido “arroz de frango com sangue”, como ele próprio refere no artigo. Que mais poderia ser que a ASAE?! É isso mesmo, os fiscais do “petisco” são o seu tema do seu editorial. Já há algum tempo que os agentes da ASAE tem ganho protagonismo no panorama mediático nacional. Eles são tema de conversa desde os mais altos cargos políticos até à vulgaríssima conversa “de café”.

Arnaldo de Sousa vem-nos dar uma outra perspectiva acerca dos malefícios desta “praga” de agentes da ASAE. É uma das maiores construções teóricas dos últimos tempos em Ponte da Barca. Começa por descrever os tais agentes como “ninjas" da ASAE, encapuzados, bem constituídos, preparados para a nobre missão de expurgar a pátria do que lhe pode perturbar o estômago, fazer perigar a saúde, estimular excessivamente o palato, e, pelo prazer alcançado, alienar o espírito”. Mas não se fica por aqui, quase no fim lança o “pânico” nos leitores de um caminho sem retorno que o país está a tomar: “Ganha terreno uma nova forma de fundamentalismo com teóricos, polícias, prosélitos obedientes.”. Mas talvez mais assustador que isso é que esta paranóia da saúde pública, como ele diz, “transforma cada fumador num criminoso, cada gordo num relapso, cada apreciador de arroz de frango com sangue num potencial vampiro, cada produtor de bagaço caseiro num traidor à pátria, o nosso direito à liberdade num comportamento desviante que urge evitar.”. O manancial “culinário” não fica por aqui. Fala-se ainda das “matanças do porco” e do “cortar a cabeça ao galo” como actos exterminados pela brigada ASAE. Pois ao fim de ler este artigo do barqueiro, entristeça-se, pois por cada segundo de leitura umas quantas pessoas viram as suas bocas privadas para sempre de alimentos e bebidas confeccionadas nas melhores condições de imundice enriquecidas em nutritivas bactérias, e sobretudo perdeu também uns minutos da sua vida a não fazer alguma coisa de útil na sua vida.    

 

Para no fim de contas ler alguma coisa de útil, fique com o seguinte raciocínio: provavelmente, se todas as leis se fizessem cumprir como a ASAE tem feito na área da alimentação, muita coisa estaria melhor no país. E também provavelmente, se nada fosse feito em relação às condições higiénicas de estabelecimentos abertos ao público, continuaríamos a ouvir queixas de que não há fiscalização nessa área… Quem te há-de entender, ó “português de gema fora do prazo”?!


sinto-me:

talhado por o barqueiro às 18:16
link do post | botar farpas (=comentar) | favorito

barqueiro
pesquisar
 
Março 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


barcalhoadas recentes

Fugir de homossexuais: el...

Arnaldo de Sousa preocupa...

todas as barcalhoadas já assistidas

Março 2010

Fevereiro 2010

Dezembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

tags

todas as tags

Visitas
Vídeo do mês: Política para Totós
subscrever feeds