Domingo, 14 de Outubro de 2007
A "posta barrosã" e os presidentes de junta

Presidentes de Junta de Ponte da Barca e Bravães andam-se a fazer à "posta barrosã"?

Ao que temos visto nos últimos jornais, "Notícias da Barca" e "O Povo da Barca", os Presidentes de Junta de Ponte da Barca, Jorge Coutinho, e de Bravães, Alberto Cerqueira, têm andado simpatiquíssimos para com o executivo camarário e para com o seu presidente, Vassalo Abreu. Foi na Assembleia Municipal de 4 de Setembro e antecedentes, e agora na imprensa local com artigos dedicados à Câmara e sua "maravilhosa" gestão. Não é um juízo de valor, apenas é o resumo daquilo que estes presidentes de junta têm dito. Os assuntos recentes da Assembleia Municipal têm-se focado na alienação dos terrenos do Rodo em Vila Nova de Muía e na discussão de projectos ora necessários mas que tardam em arrancar, como é o caso do Complexo Desportivo e Pólo Industrial, ora ridículos e sem o mínimo de consciência, como o caso da ponte sobre o Lima em Lavradas para ligar ao IC 28. Enfim, e a vida da política barquense lá vai andando, com o Bloco de Esquerda a ser o partido mais pequenito mas que ainda vai tendo uma convicção marcada e insistente de estar sempre a alertar para a necessária aposta no turismo. E no meio de tudo isto lá têm estado os presidentes de junta destas duas freguesias a dizer que a Câmara Municipal só tem acções de "servir as populações e promover Ponte da Barca" e que tem estado "num rumo de desenvolvimento". As já "muito produtivas" assembleias municipais têm agora sido usadas por estas figuras para serem ocupadas com o elogio gratuito, sempre pronto a "sair do forno". E, à parte de tudo isto, existe um ditado popular, já que estes presidentes elogiam muito o saber popular da nossa terra, que diz que quando a "esmola é grande o santo desconfia". Pode parecer que são os únicos presidentes de junta do PS no concelho, mas não são, e têm sido uns constantes habituers dos elogios durante as assembleias municipais deste mandato.

O presidente de junta de freguesia de Bravães chega ao ponto de nos seus recentes de artigos de grande elogio nos jornais locais jogar uma das maiores cartadas, daquelas que só se jogam em "ultíssimo" recurso,  para demonstrar a grandeza desta Câmara Municipal:

 

"Gostamos todos de ver as nossas festas a serem divulgadas por todo o país e logo no programa TV regiões. Não foi por acaso que cá estiveram".

 

Parabéns! A Barca chegou ao TV Regiões! Depois disto, o melhor que ainda pode acontecer, pelo menos para estas opiniões, só ganhar as próximas eleições e festejar com uma boa jantarada com a boa "posta barrosã".

 

 

                                  

 

 


sinto-me:

talhado por o barqueiro às 07:38
link do post | botar farpas (=comentar) | favorito

Domingo, 15 de Julho de 2007
Razões de atraso barquense

Razões de atraso barquense: a análise de um sociólogo

É o sociólogo Pedro Costa que na edição de 7 de Julho do "Notícias da Barca" faz a análise da situação barquense actual, a nível social, económico e político. Trata-se de uma análise possuidora de qualidade e rigor técnico, de uma pessoa formada numa das áreas de formação mais adequadas para a fazer. O título do artigo é "Atenção poder político e população em geral" e este blog aconselha vivemente a sua leitura e retenção, e se possível recorte e arquivação. Ficam aqui alguns excertos, que nos fazem reflectir e pensar, e sobretudo "abrir os olhos".

"(...) o desenvolvimento local não se faz apenas de números e posicionamentos estratégicos (...) pois se bem se lembram a implantação da primeira zona industrial nos Arcos de Valdevez foi consensualmente colocada entre municípios (Paçô). Cabe, por isso, ao poder político local conciliar os atributos do município com as reais políticas de desenvolvimento."

"(...) a grande fatia económica do orçamento de gestão financeira de um município está na capacidade de absorver taxas ou impostos. (...) é de destacar, principalmente porque é o que detém mais peso económico, o Imposto Municipal sobre Imóveis (IMI). No entanto, para que haja uma grande capacidade de encaixe deste ou de outras taxas, é necessário que o município tenha um grande parque imóvel e/ ou forte capacidade de atrair investimento. (...)

Para exemplificar facilmente, basta dizer que o número de fogos habitacionais, em Arcos de Valdevez, foi dez vezes superior em 10 anos. Em Ponte da Barca, nesse mesmo período, esse crescimento foi apenas três vezes superior."

"Este atraso alcançado em pouco mais de dez anos - com responsabilidades que devem ser atribuídas, em particular, ao poder político instituído e, em geral, à população que concordou com a passividade da gestão autárquica - produziu, para além da falta de poder económico do concelho, um sentimento de inferioridade da população Barquense (...)."

"O grande problema dos sentimentos de inferioridade é que arrastam consigo, geral e principalmente, três efeitos: por um lado, o efeito da aceitação da inferioridade; por outro, um sentimento de raiva face à classe dominante; e, por outro, o efeito do apego a vitórias morais, que em nada contribuem e que servem apenas para minimizar o sentimento geral de inferioridade e/ ou derrota."


sinto-me:

talhado por o barqueiro às 02:40
link do post | botar farpas (=comentar) | favorito

Sexta-feira, 26 de Janeiro de 2007
Ponte da Barca: um autêntico arraial minhoto

Ponte da Barca: um autêntico arraial minhoto!

Preparem-se! O barqueiro está a chegar e vai dar a conhecer notícias em primeira e segunda mão! Tomem mais atenção às notícias em primeira mão, pois irão ser autênticas barcalhoadas. Quem não conhecer Ponte da Barca - um autêntico arraial minhoto - e visitar este blog não se assuste nem fique com má imagem deste recanto minhoto: venham visitar a terra do barqueiro e vejam com os vossos próprios olhos. Mas atenção, qualquer semelhança entre este concelho e o vosso, caso não vivam aqui, é pura coicidência. Mas se vivem neste recanto disfrutem das barcalhoadas. Se gostarem tornem-se também barqueiros, se não gostarem pertencem ao "sistema" (já lá dizia o Dias da Cunha).

As primeiras barcalhoadas vêm à tona dia 27 de Janeiro com a revisão da actualidade noticiosa, crónicas, o "em alta" e "em descida" e mais barcalhoadas dependentes do momento de inspiração do barqueiro: Um Verdadeiro arraial à Minhota!

 


sinto-me:

talhado por o barqueiro às 00:44
link do post | botar farpas (=comentar) | ver comentários (1) | favorito

barqueiro
pesquisar
 
Março 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


barcalhoadas recentes

A "posta barrosã" e os pr...

Razões de atraso barquens...

Ponte da Barca: um autênt...

todas as barcalhoadas já assistidas

Março 2010

Fevereiro 2010

Dezembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

tags

todas as tags

Visitas
Vídeo do mês: Política para Totós
subscrever feeds